terça-feira, 20 de março de 2018

SOCIEDADE ONDE ATÉ "OS BONS" MATAM



Carentes e necessitados de uma sociedade de lideranças fortes e não violentas.

Tenho liderado no meu terreno ou promovido à violência disfarçada de boas intenções?

Uso o termo carente, pois o significado de carência propriamente dito, seja física ou mental, “implica a existência de uma necessidade, Ou seja, as necessidades são aquelas situações nas quais o ser humano sente a falta ou a privação de alguma coisa. Quando o nível de carência é muito intenso, transforma-se em necessidade”.

E o nível de carência de nossa sociedade é intenso.

 Ver aplausos e o silêncio de pessoas “do bem” a crimes que ceifa a vida de pessoas que supostamente favorece a esse ou aquele partido é no mínimo nauseante!

Como Cristã e dependente da Graça e da misericórdia do nosso Deus, RAMO da videira e filha imerecidamente do agricultor, que nos garante renovados e limpos pela palavra, SE permanecermos nele, (João 15 – Bíblia), me inquieta e dói, daí meu desabafo em forma de texto.

Os considerados “os bons”, estão assassinando pessoas e usando a mão do outro para puxar o gatilho, SEMPRE que lhe for conveniente.

Não é e nem está fácil para ninguém ser gente em época onde a verdade está sistematicamente controvérsia. “As pessoas não acreditam na verdade absoluta, cada um constrói a sua própria versão da verdade, que se ajusta ao seu modo de vida”.

O Profeta Jeremias em seu livro deixa bem claro que a palavra de Deus, essa propagada para transformação de vidas, veio a ele de forma exclusiva e o constituindo Profeta ás Nações.

A palavra chegou até ele, como ele mesmo diz em seu livro cap. 1; essa mesma palavra chegou até mim e tem chegado a muitos nessa sociedade, mas muitos também, que ainda assim, se vendo até como inocentes, porém, disseminando e colaborando, isto é, atirando com a mão do outro, a disseminação de tanta crueldade, tanta malvadeza, tanto preconceito, tanto engodo em nome de Deus, tanto, tanto, tanto!

Bastante expressiva a colocação da Psicóloga de Mariza Freitas:- "Onde abundou o pecado, SUPERabundou a graça".Como temos dificuldade de entender a graça de Deus. Vendo Cristãos apoiando açoes criminosas em detrimento dos pecados das vítimas. Precisamos reavaliar nossas crenças...nosso papel é amar e compartilhar nossa fé, todo e qualquer julgamento é com o nosso justo Juiz, nosso Deus".

Mas não é fácil se ver nesse lugar não, pois de onde estou à paisagem é muito linda, e me considero uma pessoa tão do bem, mas tão do bem, que muito provavelmente nunca soube ou não compreendeu quando o Titanic afundou.

Eleni Nalon – Psicóloga Clínica

.




terça-feira, 13 de março de 2018

PORQUE PRECISO SABER UM POUCO SOBRE PSICOPATA?



Porque Viver na atualidade, tem sido também viver de forma perigosa.

Infelizmente em toda e qualquer área onde circulam pessoas, circulam maldades e bondades, conceitos bastante questionáveis hoje na atualidade, frente ao intenso grau unicamente de interesse, desprovidos de afetos, com que as pessoas tem se relacionado cada vez mais.

 A troca continua sendo elemento e ação  importantes em  qualquer relacionamento, e como também, tão bem colocado em um de seus textos pelo Pastor Edvar Gimenes, fundamentado no texto de Jó, de que o que fundamenta  nossa busca por justiça e nossa ajuda ao próximo não é um ato de caridade de nossa parte, mas o reconhecimento de que todos somos imagem e semelhança de Deus e assim devemos nos tratar”.

Porém não são poucos os casos e histórias de pessoas que passaram e passam angustias e adoecem nas mãos dessas tidas como amigas, familiares, religiosas, porém manipuladoras, que passaram, outras permanecem, porém sempre deixando suas marcas devastadoras, com cargas emocionais, muitas vezes indescritíveis.

O cinema e a televisão tratam os psicopatas como nos gostaríamos, ali visíveis e fáceis de serem reconhecidos por nós mortais, sendo que na realidade, podemos não dar conta de que convivemos com os mesmos, pois, Na vida real são poucos os casos de psicopatas que chegam a matar, porém provocam muito sofrimento e destruição.

São  indivíduos que Criam armações visando sempre seu próprio benefício.

São Indiferentes aos sentimentos alheios. São capazes de passar por cima de tudo e de todos para conseguirem o que querem.

Para os Profissionais da saúde mental, são Conhecidos como  transtorno de personalidade antissocial.   Atinge 0,2%  3,3%  da população mundial.

São anormalidades da psique

Nessas pessoas, Existe uma falta de empatia e de comoção em relação ao outro.
Sendo retratados como pessoas sem escrúpulo e dementes, sabendo que são indivíduos que tem bastante consciência do que fazem.

Suas Principais características, essas que levam tempo para muitos perceberem:-  manipuladores, exploradores, sádicos , isto é, Sentem prazer no sofrimento alheio.

Eles desconhecem a Angustia e remorso, são sentimentos impensáveis para essas pessoas e não possuem senso crítico e noção ética. Um diagnóstico, nada fácil de ser elaborado, até mesmo pelos profissionais da saúde mental.

SÃO CAPAZES DE SE RELACIONAREM COM OUTRAS PESSOAS?

Claro! É a oportunidade perfeita para manipularem para assim conseguirem o que querem. Isso entre familiares, amigos, colegas de trabalho.

São perfeitos sedutores

Colhem informações sobre quem os cerca, fala o que o outro gosta e necessita ouvir, mas a verdadeira intenção é obter informações para usar como forma de chantagem.

Sempre causam boa impressão e são considerados normais por aqueles que o conhecem superficialmente. Detalhe, muitos levam tempo a cair na real.

Costumam ser: Egocêntricos, Desonestos, Mentirosos.

PREFEREM SE RELACIONAR  Sempre com pessoas manipuláveis, para que possa alcançar seus objetivos, sejam eles de poder, Status ou Diversão

NÃO É TAREFA FÁCIL RECONHECER ESSAS PERSONALIDADES COMO PSICOPATAS

Pois A capacidade de dissimulação desses indivíduos, dificulta  e desafia até mesmo aos Profissionais , para uma identificação rápida e precisa

São indivíduos com Muita capacidade em camuflar suas reais intenções e sentimentos.
Para eles foi Foi criado um termo chamado  “mascará da sanidade” .

Podem parecer como uma pessoa como outra qualquer, usando essa mascara da sanidade, escondendo assim seu distúrbio.

Geralmente se apresentam como pessoas boas, simpáticas e bem intencionadas a ajudar ao seu próximo.

E O QUE DIZER DAS PEQUENAS E INOCENTES CRIANÇAS MALVADAS?

Nenhum menor de 18 anos pode ser considerado psicopata, pois sua personalidade ainda não está totalmente formada.

Porém é uma questão que gera discussões entre profissionais pesquisadores da saúde mental.

Alguns acreditam serem comportamentos herdados.

Outros acreditam serem comportamentos aprendidos.

Enquanto não há um acordo, é IMPORTANTE lidar com o que se tem:

1 – Ambiente familiar  = independente de classe social – como funciona essa família.
2 – Ambientes hostis
3 -  História de aprendizagem da criança
4 – Possíveis lesões cerebrais

Portanto Pais, mães e cuidadores, REGRAS dosada com amor, são indispensáveis desde pequenos, para boa convivência com o outro.

MONITORADOS -  criança e adolescentes necessitam (mais que precisar) sempre do acompanhamento dos pais ou cuidadores.

Prestem atenção em comportamentos inadequados de seu filho (a):

Exemplos:
Mentem com frequência
Não assumem suas atitudes inadequadas
Gostam de maltratar animais
Sempre agressivos com colegas
Colocam fogo em casa
Surram seus brinquedos
Picham paredes
Não sentem culpa nem remorso pelos atos ruins e cruéis que cometem com seus colegas
Não sentem empatia pelos outros
Violam regras sociais estabelecidas para sua idade
Não respeitam os direitos dos outros, inclusive dentro de casa.

( IMPORTANTE e INDISPENSÁVEL AVALIAÇÃO DE PROFISSIONAIS, POIS ESSE TIPO DE COMPORTAMENTO EM CRIANÇA acima citados, PODE INDICAR TAMBÉM, OUTROS TIPOS DE TRANSTONO OU ATÉ MESMO de CONFLITOS FAMILIARES)

Essas crianças podem estar apresentando um transtorno de conduta e os pais não podem desconsiderar ajuda Profissional.

Se não assistidos em tempo real, pode ser gerado transtorno psicopata ou antissocial.

Nem toda criança com esse tipo de comportamento acima citado se tornará um psicopata. Necessita de cuidados Profissionais.

É ATÉ NORMAL NA CRIANÇA

Um pouco de maldade faz parte do desenvolvimento natural de qualquer criança até 7 anos, quando ainda não tem total consciência do que lhe é permitido ou não.
Com o tempo, orientação dos Pais e se necessário Profissional, passam a absorver as características da cultura e deixam tais ações.
Uma criança abusada física ou psicologicamente, aprende que comportamento violento é uma forma de dominação sobre outras pessoas.

(Esse texto é um trabalho resumo realizado por mim, de uma pesquisa apresentada pela revista segredos da mente ano-3 número -4 ano 2018)
Eleni Nalon – psicóloga clínica
Março-2018


segunda-feira, 12 de março de 2018

AS REDES SOCIAIS E AS EMERGENCIAS DOS BEBES



“Eu vi que ela leu meu recado, mas demorou em responder”.

“Vi quando avistou meu recado, estava online”.

“A pessoa entra vê, mas demora a responder”.

Esses são exemplos dentre outras formas de expressão de pessoas que não conseguem lidar com sua ansiedade, frustrações, nessa era tão rápida de evolução cibernética.

  A amplitude desse conceito cibernético, consiste em “Uma linguagem técnica que permita abordar o problema do controlo e a comunicação em geral e que favoreceu o surgimento de além de outras ciências, a Informática”. “Deu um grande impulso à teoria da informação, essa entendida como ciência que estuda o conjunto de informações e conhecimentos por meios digitais”

USUFRUIR, para minha cabeça bastante subjetiva, é meu local de transito e de forma ainda limitada, nessa ciência tão complicada na construção de sua teoria.

O que pretendo nessa breve reflexão é chamar atenção do quanto podemos REGREDIR EM FASES tão longínqua da vida adulta, a dos bebes, a depender de nossas posturas frente à reação das pessoas e as necessidades que são de propriedade nossa e não de quem me ouve, no uso das redes sociais.

“O bebê chora de forma diferente de acordo com o que está sentindo. Chorar para o bebe, serve a diferentes propósitos. Além de pedir ajuda quando está com fome ou desconfortável, o choro ajuda a liberar a tensão ou a evitar sons e sensações que são muito intensas.”

 Assim se comportam muitos adultos, frente as suas necessidades imediatas unilaterais, partindo sempre de sua concepção, com reações bastante pueris, frente à demanda da comunicação, onde existem dois ou quando não, milhares de lados a serem analisados, antes de sofrerem com as múltiplas reações, que carregam em sua base a imaginação e concepção de cada um.

Os bebes choram, alguns incansavelmente, já os adultos reclamam, agridem, cobram, fugindo muitas vezes, de características que pode permear uma discussão mais calorosa, porém às vezes numa dimensão totalmente desfavorável e descaracterizado da fase idade mais adulta, seja na adolescência, jovem ou adulto propriamente dito.

Ouvir a si próprio é um desafio constante e considerável para nós seres humanos, demasiadamente humanos.

Chorar para o bebe, serve a diferentes propósitos, E reclamar, cobrar, agredir para alguns adultos também. Propósito de chamar atenção, propósito de que o outro o coloque numa posição de importância, posição essa vista somente pelo seu próprio olhar, não ter capacidade de perceber que a vida não gira em torno de sua rotina nem agenda e que relacionar é uma via de mão dupla, todos temos necessidades.

Para o bebe, o choro ajuda a liberar a tensão ou a evitar sons e sensações que são muito intensas, já para o adulto, a exigência sobre a atenção imediata do outro, ou se imaginar o dono da verdade, pode significar uma realidade mais da área patológica, desde graus leves, tão leves, mas não despercebidos, ate severos. São adultos Impulsivos, que agem antes de pensar; interrompe os outros quando eles estão a falar; toma decisões ou age de forma intempestiva”.

“Pode evidenciar carências “Há estados situacionais de carência, mas o problema é quando é um sentimento constante”, afirma o psicoterapeuta Marco Antônio De Tommaso, formado pela USP (Universidade de São Paulo)”.

“Em muitos aspectos, a sensação é de que vivemos em um tempo no qual as mudanças acontecem em uma velocidade vertiginosa”, tornando-nos incapazes de pensar que não fomos criados da ciência da cibernética, o material de que fomos criados, não tem nada de virtual, somos também fortes e desconhecidas emoções.  E algumas reações, o individuo recorre à forma da fase dos bebes, em busca de suporte para sobreviver a essa velocidade um tanto injusta , mas real na vida de todos.

Nessa velocidade de forma intempestiva, o filósofo Sócrates, que não viu e se imaginou não pode alcançar a grandiosidade dessa evolução, demonstrou preocupação com seu legado, já sabido e vivenciado de que “as palavras, por si só, não têm a capacidade de transmitir o conteúdo desejado pelo autor (POR QUEM ESCREVE) e não podem dialogar com seus leitores, que as interpretam de maneiras diferentes”.

Assim a deficiência das pessoas em se relacionarem em redes sociais, como bebes certas de que suas necessidades reais, serão facilmente alcançadas e entendidas, dê forma irrestrita que corresponda estritamente aquilo que desenha o seu próprio pensamento, necessidades e desejos, com o diferencial bastante significativo, o de ser adulto, não mais Nenéns.

É desafiador o ouvir a si mesmo. Pensar que tudo que é meu seja mais emergencial
 Não sejas sábios a teus próprios olhos. A sabedoria é coisa principal. Adquire pois a sabedoria, emprega tudo o que possuis na aquisição de entendimento. Exalta a sabedoria, assim ela te abraçará e te honrará.(Provérbios 3:7 e 4:7,8)

É muito gostoso quando lembramos que somos humanos, apesar da era cibernética, e que, se existe algum peso disso é sentir tudo isso,  ser capaz, além de poder remodelar todas as vezes que sentimos.

“Ser gente é ajudar a quem precisa, de acordo com nossas possibilidades, sem esperar retorno. Por que ser gente é saber que, pelo que fizermos de útil ao nosso semelhante, a única recompensa que se deve esperar é a consciência de um dever cumprido. Dever que só Deus poderá pagar”.

Eleni Nalon – Psicóloga Clínica

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

QUASE UM ANO NENA



Participar hoje do velório do Irmão Sebastião, Zelador do Seminário do Norte do Brasil, fez passar um filme em minha mente, da amizade de minha MÃE NENA com ele e sua esposa Dona Jarda, como a chamamos, como também reviver sentimentos que tomam formas diferentes para continuarmos a prosseguir, e gratos a Deus por vidas tão preciosas.

Vivi somente 16 anos com meu Pai, e foi muito sofrimento vê-lo partir eu ainda adolescente.

Nena estava lá, com sua poderosa força, que ELA nunca deixou que nos esquecêssemos, que essa força sempre vinha de Deus, e deu a cada um de nós, seus oito filhos, quatro na idade até dezesseis anos e eu era uma desses quatro, todo apoio que precisávamos para prosseguir com a triste ausência de nosso Pai.

Os anos foram se passando e o choro que durava a noite, a cada amanhecer caminhavam lentamente levando e amenizando a dor e a saudade. (Salmos 30)

Convivi e tratei anos um medo patológico, medo de a Nena ir também. Mas ELA na sua limitada formação escolar formal, mas ilimitada sabedoria, sempre mostrava com sua própria forma de viver e enfrentando sua própria dor, do quanto os dias que viriam, seriam sempre os melhores, e que Deus era o nosso Pastor e nada iria nos faltar (Salmo 23).

A cada dia a vida mostrava que ELA estava certa e que poderíamos continuar nossa caminhada, às vezes sorrindo, outras chorando, alegres, tristes, mas sempre fitando os olhos em Jesus, autor e consumador da nossa fé (Hebreus 12:2).

A CASA de NENA parecia ser de açúcar.

 Eu amava deitar naquela sala naquele colchãozinho no chão, enquanto conversávamos.

E aquela mesa?

Aquela inesquecível cozinha, onde eu sempre dizia que era o Púlpito DELA, pois sempre tinha pronta uma citação Bíblica para conosco compartilhar, e De Onde o pão saia quente do forno, só esperando a manteiga deslizar por sobre ele e o cheiro do café que circulava pela casa, atraindo até quem estava km de distância.

“Naquela mesa ELA sentava sempre e me dizia sempre o que é viver melhor
Naquela mesa ELA contava histórias que hoje na memória eu guardo e sei de cor.
Naquela mesa ELA juntava gente e contava contente o que fez de manhã
e nos seus  LINDOS olhos AZUIS era tanto brilho que mais que SUA FILHA
eu fiquei SUA fã”     ( Nelson Gonçalves)

Só temos a agradecer a Deus pelos oitenta e seis anos e nove meses de convivência com ELA.

Guardei seu cheirinho gostoso que assim como o do meu Pai, nunca será apagado de minha memória emocional. O tempo nunca apaga o que a vida nos deu de melhor e esses dois serão eternos dentro de mim.

Saudades  eterna NENA.


terça-feira, 4 de julho de 2017

O RESPEITO PELAS PEDRAS


                                               

Ao me acordar hoje, já pensando na responsabilidade com o Congresso da Criança que tem inicio nessa sexta-feira na Igreja Batista Emanuel, com a participação de 300 crianças, comecei a pensar como que, enquanto se trabalha, enquanto se prepara, enquanto se organizam, quantas pedras difíceis encontramos pelo caminho.

Lembrei logo do rio que nem se mete a tira-las de sua frente e sim faz o contorno e segue seu rumo com suas águas, que não deixam por nenhum momento de serem cristalinas, por terem contornado as pedras.

E as pedras “tidas” como as mais bonitas? As que estão nos anéis ou principalmente aquelas que compramos para fazer nossas calçadas, nossos quintais e vamos caminhar por sobre elas diariamente, essas que nós mesmos colocamos em nossos caminhos, aquelas que se trás para perto de si, encantados por suas belezas, mas que já trazem em si suas exigências, pois para mantê-las bonitas é necessário o cuidado diário. Até as pedras dos belos anéis podem cair ou quebrar.

Quando tratamos as pedras do caminho com respeito, nós não PISAMOS nelas e sim caminhamos sobre elas.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

QUERIDA MÃE NENA

                               
Foi assim que iniciou, “Querida Mãe Nena”, uma mensagem escrita que enviei para minha mãe dia 10 de dezembro de 1991, e que eu nem lembrava mais.
 Agora diante de seu falecimento em 05 de outubro de 2016, o cartão e a mensagem retornam para as minhas mãos e com lágrimas nos olhos releio e agradeço novamente a vida maravilhosa que Deus permitiu que nossa Nena vivesse até seus 86 anos e nove meses, junto de nós.

          QUERIDA Mãe Nena! Eu gosto de escrever, pois expresso melhor meus
            sentimentos e emoções.
            AMO muito a Senhora. Continuo com a terapia e agradeço a Deus por
           essa oportunidade.
           ÀS VEZES não sinto vontade de orar, ai me lembro de que a Senhora ora
           todos os dias por mim, então agradeço a Deus por isso, ai então estou
           orando.
           MÃE tem muita coisa que carrego comigo que eu não consigo entender,
           e não gosto, e o que tenho tentado fazer a cada dia é gostar mais de
           mim e saber agradecer a Deus do jeito que me fez e das transformações
           que pode fazer em nós quando permitimos.
           MÃE eu amo a Senhora, mas eu sei que eu a amo, porque me amaste
           Primeiro.
           AO ORARES por mim, levante um pouco mais a sua voz.
                               Te amo
                                           Lê
                                                10.12.1991


      Frase do próprio cartão:- Sinto tua presença caminhando ao meu lado

domingo, 10 de julho de 2016

QUEM PASSOU POR AQUELA SALA ESTEVE MAIS PERTO DO CORAÇÃO DAS CRIANÇAS




                                            CONGRESSO da Criança 2016

Algumas das muitas frases ouvidas durante e depois do Congresso:-

 O Congresso foi demais!

 Não segurei as lágrimas!

 Foi o melhor que já participei!

 Foi benção!

 Tudo para honra e glória de Deus!

 Eu me arrepiei!

 O momento do menininho foi emocionante!

Estamos cansados, mas não estressados!

Frase vinda dos corações de quem trabalhou ou participou em algum momento desse tão grandioso e importante evento, que faz parte da vida dessa Igreja há dezenove anos.

Para quem trabalha no planejamento, o vigésimo já começou, e com certeza será o melhor, pois essa emoção é única para aquele que se dispõe a trabalhar.

Mas quando falamos do melhor, estamos nos referindo à produção, mas para as crianças o melhor mesmo, seria que já tivesse outro em outubro, como disse um garoto para mim.

Mas o melhor mesmo estava naquela sala, à sala de oração!

Por ali passaram cento e sessenta e cinco pedidos de oração. Que delícia poder ouvir o coraçãozinho das crianças. Quem por ali não passou, não teve esse privilégio, perdeu o melhor do Congresso, ouvir o que as crianças trouxeram em seus corações.

Dessas cento e sessenta e cinco crianças, setenta e sete pediram que orassem pela sua família.

As crianças necessitam serem ouvidas, somente assim famílias fortes serão construídas. Famílias destruídas corações dilacerados.

“Se não for pra te adorar para que eu nasci? Se não for para te servir porque estou aqui?”


O Congresso da criança é a melhor forma e expressão de louvor que a igreja Emanuel pode viver, pois é através da criança que vem o perfeito louvor; “Respondeu-lhes Jesus: Sim; nunca lestes: Da boca de pequeninos e de criancinhas de peito tiraste perfeito louvor?” (Mateus 21:16).